sábado, 4 de julho de 2015

Velharia: Alex Kidd, tema cantado!

Quando você começa a vasculhar os seus CDs e se depara com algo clássico,que você amava, e que voltou a te fazer chorar de alegria,e  você resolve compartilhar com o povo, e procura no youtube pra não ter de ripar do seu CD original japonês, e encontra com cenas editadas do jogo, e resolve publicar, aqui estamos: O TEMA DE ALEX KIDD IN MIRACLE WORLD, versão CANTADA, da faixa bonus do CD duplo "Alex Kidd Music", lançado em Vinil,e  posteriormente em CD, pela sEGA no Japão!



E aí, conheciam? Se não, curtiram? Comentem! ^^

Ah, se quiserem cantar junto, aqui vai a letra:

ALEX KIDD 

1. 
スタコラ スタコラ スタコラ サッサ } *1 
スタコラ スタコラ スタコラ サッサ } 

それゆけ それゆけ  } 
元気いっぱい アレク } *2 
それゆけ それゆけ  } 
ミラクル ワールド   } 

夢と希望が うめぼしがわりの 
おいしい オニギリ食べて 
さあ 旅文て 

強いぞ 負けるな } *3 
アレックス キッド } 

2. 
*1 
*2 
夢で作った プチコプターだよ 
どんな敵が来ても 
こわくはないさ 
*3 

3. 
*1 
*2 
不思儀な未来も 
不思儀な世界も 
愛と勇気があれば 
きっと行けるさ 
*3 

não sabem ler kanjis? Aqui vai, romanizada, rpa cantar junto:

1. 
Sutakora sutakora sutakora sassa 
Sutakora sutakora sutakora sassa 

Soreyuke soreyuke 
Genki ippai Areku 
Soreyuke soreyuke 
Mirakuru Wa-rudo 

Yume to kibou ga umeboshi gawarino 
Oishii onigiri tabete 
Saa tabi kazate 

Tsuyoizo makeruna 
Arekkusu Kiddo 

2. 
Sutakora sutakora sutakora sassa 
Sutakora sutakora sutakora sassa 

Soreyuke soreyuke 
Genki ippai Areku 
Soreyuke soreyuke 
Mirakuru Wa-rudo 

Yume de tsukutta puchikoputa dayo 
Donna kataki ga kitemo 
Niwaku hanaisa 

Tsuyoizo makeruna 
Arekkusu Kiddo 


Sutakora sutakora sutakora sassa 
Sutakora sutakora sutakora sassa 

Soreyuke soreyuke 
Genki ippai Areku 
Soreyuke soreyuke 
Mirakuru Wa-rudo 

Fushigi na mirai mo 
Fushigi na sekai mo 
Ai to yuuki ga areba 
Kitto ikeru sa 

Tsuyoizo makeruna 
Arekkusu Kiddo 

YATTA!

bye-Q!

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Onde os cinéfilos não têm vez. Ou como sempre as pessoas desprezam grandes obras do cinema. Ou ainda o incrível caso do “não importa quão ruim seja o livro original, o filme ainda assim vai ser pior”. Ou o caso do não quero comprar filme, baixo na net e foda-se.



Onde os cinéfilos não têm vez. Ou como sempre as pessoas desprezam grandes obras do cinema. Ou ainda o incrível caso do “não importa quão ruim seja o livro original, o filme ainda assim vai ser pior”. Ou o caso do não quero comprar filme, baixo na net e foda-se.

Todos os títulos acima poderiam constituir o primeiro parágrafo deste texto que vos trago. Obviamente, não quero dizer que o cinema é sempre melhor que os livros, mas tampouco o inverso é verdadeiro. Fique bem claro, que estou falando mesmo de filmes preto e branco e/ou mudos. Ainda assim é bom ressaltar que sou bibliófilo. O dono do blog que estou postando tal texto pode confirmar, mas para quem não quer ver isso vejam algumas fotos:










Acho que chega, né?! Além das contas meu único gasto garantido são livros. Tenho mais de 500 livros com larga probabilidade de ter uma folga grande de 500 volumes extras, talvez, somando até o triplo = (500 + 500) x 3 = 3.000 volumes. Obviamente, isso até recentemente. Porque comecei a acumular boxes de filmes. Por enquanto meus únicos boxes são de cinema japonês. Eis a coleção completa:



Sim, eu sei são todos de uma produtora só. Exceto o outro box de Mizoguchi que é da Lume Filmes, mas há uma razão para isso: o desprezo e descaso da maioria das distribuidoras de filmes no Brasil. Se o nosso mercado de livros é de “luxo” não havendo no exterior nenhum mercado parecido em questão de edições luxuosas: Cosac&Naify que o diga. É caro, mas você paga pelo que recebe. O mesmo infelizmente não pode ser dito sobre DVDs, Blu-Ray e Home Vídeo em geral. O cinéfilo convicto que depende do nosso parco mercado de DVDs e edições especiais sabe do que falo. Esses boxes da versátil são lindos, certo? Porém, eles são já quase tudo que se lançou de cinema asiático além do Kurosawa. Ou se não, são uma quantidade expressiva do catálogo da Cultura (Sim, a famosa livraria cultura que tem TUDO referente à música, cinema e livros). E, não, o mercado asiático de filmes não é fraco em clássicos. Muito embora ele não seja apreciado mundialmente é por conta de outros fatores. Em especial, aqueles culturais.

Então, onde que quero chegar com tudo isso? Bem antes de culpar alguém é bom olhar que surgiu uma produtora de DVDs (distribuidora, perdão) que divulga filmes clássicos em coleções a preços baratos e educa o consumidor que gostaria de assistir filmes que antes não estariam disponíveis a nós. Obviamente, nem todo mundo tem essa disposição e há produtoras com preços altos e abusivos distribuindo filmes caros. O porém dessa história é que o consumo de filmes no Brasil se dá, muitas vezes, por meio de mídia pirata, youtube ou outros sites. Somos campeões. Filme é artigo para assistir uma vez e jogar fora. Não existe o fetiche do livro. Filme é camisinha, filme é CD. Ele dificilmente tem tratamento digno e digamos que o mercado de DVDs respondeu muitos anos à essa falta de estímulo e cultura cinéfila de forma abusiva. Contudo, não quero falar das agruras dos colecionadores de DVDs. Categoria à qual estou me convertendo aos poucos colecionando por regiões do mundo.

Ser cinéfilo no Brasil é sinônimo de ser babaca. Compra pirata, dizem. Para que gastar dinheiro com isso? Ou pior: vcs vão ver esse filme? (Frase sempre proferida com relação à filmes preto-e-branco. Aplicada à Hitchcok e Kurosawa respectivamente nas duas vezes que tive o desprazer de ouvi-las de gente bem próxima à mim e que não questionava quando eu lia um romance grosso de mais de 650 páginas). Se alguém aqui assiste a vídeos em inglês vê o quanto o mercado dos clássicos no exterior é tão forte quanto o nosso de livros havendo, inclusive, edições de luxo e mesmo distribuidoras especializadas em clientes altamente exigentes. Seria legal que vocês pesquisassem AK 100 – Box Set, Zatoichi Box Set e olhassem o canal Criterion. Só por garantia para entender que não estou exagerando no meu próximo ponto.

Como todo bom texto meu há uma polêmica e meu chute para não haver espaço para esse tipo de produção (embora a versátil esteja contradizendo isso em uma escala pequena e longe de ser luxuosa como a criterion) é como as pessoas tratam filmes. Alguém aqui já falou meu box é lindo, meu box importado, comprei verdadeiro, etc?! Chuto que ninguém tenha algum box e se tiver, provavelmente, é de um lançamento Blockbuster. Não sabe o que é blockbuster?! Pesquise, e uma dica não é a velha locadora de filmes que foi comprada pela Lojas Americanas. É um tipo de filmes. Se sabia te dou um pequeno desconto. Acertei?! Pelo menos o seu consumo de filmes é eventual. É isso?! Você acha que filme visto uma vez é filme que não merece ser revisitado? Joga fora e dá espaço para outras coisas que sejam mais importantes que simples DVDs? Mesmo comprando pirata nem se dá o trabalho de dar um estojo com capa pros seus CDS? Outra flecha no alvo? Pois, é. Só posso dizer que lamento. 

Lamento muito, mas você, caro amigo não é cinéfilo. Lamento muito, mas quem faz isso (nem todos fazem, mas uma imensa massa faz, afinal temos tantos camelos de filmes por qual razão?) é muito difícil acreditar que você aprecie cinema ou leve ele minimamente como ele deve ser levado. Por isso, lamento pelos prejudicados (que me leem no momento, também), porém, você é o grande impedimento de um mercado de DVDs mais significativo e maduro emergir aqui e florescer dando frutos aos que se dedicam a árdua e penosa tarefa de colecionar filmes antigos, clássicos, cults e de outras variedades. Porém, não se sinta mal. Na maioria das vezes o preço é abusivo, mas há novas distribuidoras dando um jeito nisso e dando preço mais acessível aos filmes. Contudo, mesmo com toda a produção dada a estes filmes hpa gente que acha que assistir em RMVB é o mesmo que ver widerscreen. Ter tela de tubo ou HDTV não faz diferença na experiência do filme. Ou seja, seria como alguém dizendo que não vê problemas em uma edição com capa amassada, bordas tortas, espaçamento intercalado, palavras espremidas e um livro rasgado. É por aí que você trata um filme.
Não quer dizer que eu sou cego às questões sociais, que muitas pessoas não têm dinheiro para comprar livros, etc. Obviamente estou ciente destas questões, contudo, o filme não é um artigo de luxo tão caro quanto um videogame ou um jogo que as pessoas consomem diariamente, também. Então, guarde suas pedras de militância porque o foco não é o salário mínimo ou o pagamento do trabalhador médio. O foco é o cidadão de classe média que pode pagar por isso e opta por piratear, por roubar uma propriedade intelectual sem remorso, etc.

Há, contudo, o outro lado que já foi citado: o descaso de certas produtoras com os filmes e o público cinéfilo, mas isso vem mudando muito juntamente com o público ledor que aumentou demais nos últimos anos. Ainda assim o problema persiste e ele chega a ser irritante. O importante é notar que existe este mercado e você, colega, que nunca comprou uma mídia verdadeira deveria pensar em fazê-lo caso tenha condições pra isso. Eu sei que você com certeza gasta uma boa parte do seu salário com figures e artigos nerds e games. Que tal investir em filmes? Tem tanta coisa boa! Coleção Sci-Fi, Noir, Cinema Samurai, os filmes do Lobo Solitário, Círculo de Fogo, etc. Duvido que nada apele para você.

Certo? Fizemos toda a limpeza possível? Sim e não. Eu gostaria de falar muito sobre cinema e adaptações, mas isso mercê um post inteiramente dedicado ao assunto para não ser longo e desfocado. Reflitam e mantenham duas distribuidoras de filmes em mente: Lume Filmes e Versátil. Sempre. Ótima qualidade, ótimos títulos. A qualidade vai para a versátil, a seleção fica entre as duas empatadas.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

O conto do vigário digital (Ou como as relações por distância se tornam maquiadas)

O conto do vigário digital (Ou como as relações por distância se tornam maquiadas)
por: Pedro Centurion

O caso que vou relatar agora é um caso que todo mundo já se deparou, é aquele caso comum que vira meme ou mene, se preferir, no Facebook. É aquele tipo de assunto falado em rodas eletrônicas e cochichado em recepções no trabalho, ou quem sabe, se a pessoa tem aquele ponto nodal de virar um adulto reclamão com quinze anos o assunto se passa, mais cedo na vida, nos corredores da escola. Aliás, comentários estes que me lembram o caso das patricinhas da escola que eu tanto achava pentelhas. Podem falar do xampu, das roupinhas bonitinhas e do jeitinho meigo, mas patty é chata pra caramba. Ou, ao menos, era assim que parecia na escola e graças à outra força tivesse continuado assim. 

O fato, meus caros colegas, é que não continua. A gente vai “digivoluindo” (primeiro a barriga, depois a calvice, a chatice crônica, as paranoias, as feridas pessoais, etc etc) e nós acabamos por nos render aos encantos dessa maledicência desenfreada, da negatividade e, quem sabe, até mesmo desta infantilidade que as queridas patricinhas e boys tem chamado de círculo de “confiança”. Quer dizer, deixa eu explicar melhor. O círculo de confiança é ele mesmo e os amigos eventuais do sujeito. Claro, todos temos amigos eventuais e mimi e esse samba com chororô e ginga todo mambembe que se chama rodinha de paga-pau. Todo mundo tem: seu chefe, seu rival, seu irmão tinha quando você era criança e adolescente, sua irmã, etc. Você teve essa cagada, mas , claro, era mais digno porque você via eles meia vez por ano, ou ao menos,você via com pouca frequencia, não tinha FB, twitter, Viber e o caralho à quatro e nem o maldito Whatsup (é assim que escreve essa desgraça?).

O dia-a-dia na escola era cinza, tu odiavas estar naquele lugar - ao menos os seus colegas lhe pareciam ariscos e você agia de maneira estranha e antissocial -; ao menos com eles, mas você não era reclamão, você não era “babaca”. Cê era o cara, o escolhido, o diferentinho, o cara que curtia as paradas que ninguém mais curtia. C~e era o nerdão, o “hipster”, a bolacha fora do pacote. Deu pra entender a onda, né? Tu se achava o maioral. Nem importa se vc era paparicado em casa ou mimado. O que importava é que ninguém mais falava com vc à não ser por notas (em alguns casos, talvez) ou pra te zoar. Talvez, vc nem fosse tão esperto, mas tu curtia animê, roque, essas paradas fodas.

Era um bagulho muito foda (louco é pra quem fuma dose do que não deve, aquele haxixe que os boys ou teus colegas de facul te ofereciam a rodo no campus, vai saber). O problema, na verdade, era a fortaleza de solidão. Bater uns papos, sair prum karaokê, ir no picnic, encontrar gente que tu nunca viu. Você começou a socializar, mas, pera, era 2001 pra baixo. O máximo de rede social era aquele tal de Orkut e nada de meme zoando vc, afinal, nem rede social tinha direito. O resto era mandado pro scrap ou se vc quisesse o arcaico bate-papo, o MSN e mesmo o ICQ que não tinha ido direto pro cemitério como defunto da era pré-comunicação banda-larga. O negócio era primitivo. Tu saia e ia correndo pra lugares bem longe, pra ver gente que tu mal conhecia. Tu chegava em casa e amava o que via, ouvia e ficava curtindo. Segunda chegava e você aguentava aquela rotina de marasmo e se tu não fosse CDF a rotina se tornava mais pesada ainda.
 O problema, amigão, é que tu passou por isso e vê como a vida dos gafanhotos e libélulas está fácil, daí tu vê que o enquadramento, as categorias e toda aquela cagada que acontecia com boys e pattys não era azedume de filhinho de papai e princesinha. A cagada, a merda, o verme tava engendrado no maldito espírito gregário, e na tal sociabilidade. Você percebe qu contato demais vai estragando tudo e as relações começam a esmorecer de maneira que você vai criando barba e percebe: é eu percebi isso, mas eu amadureci em muita coisa, mas só fui viver essa cagada de grupinho na pele hj em dia e, sinceramente, foi a cosia mais escrota que viveu, afinal, estou mais velho e um pouco mais cético. Não tenho nem mais o tempo de fazer as escrotices dos boys e das pattys, mas a vida segue. Tão dura como sempre. É foda ser “nerd”.

terça-feira, 28 de abril de 2015

‘Cinquenta Tons de Cinza’ e ‘Velozes e Furiosos 7’ ganham datas das sequências nos cinemas

ANÚNCIO DAS DATAS DE LANÇAMENTO
ACONTECEU DURANTE A CINEMACON, EM LAS VEGAS

Duas das maiores bilheterias do ano, “Cinquenta Tons de Cinza” e “Velozes e Furiosos 7” tiveram as datas de suas sequências divulgadas ontem, no último dia de apresentações da CinemaCon, em Las Vegas. As produções “Cinquenta Tons Mais Escuros” e “Velozes e Furiosos 8” devem chegar aos cinemas norte-americanos nos dias 10 de fevereiro e 14 de abril de 2017, respectivamente. Já o terceiro filme da franquia baseada no best-seller de EL James, somente em fevereiro de 2018.

Distribuídos pela Universal Pictures, ambos os filmes são destaque no ranking das maiores bilheterias do ano em circuito mundial. Com direção de Sam Taylor-Johnson,“Cinquenta Tons de Cinza” arrecadou mais de US$486 milhões pelo mundo. Já “Velozes e Furiosos 7”, ainda em cartaz, continua batendo recordes e já arrecadou mais de US$1 bilhão, sendo mais de R$115 milhões apenas no Brasil. O sétimo filme da franquia já ultrapassou “Avatar”, “Tropa de Elite 2” e “A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2”.      

Cinquenta Tons de Cinza 
Com direção de Sam Taylor-Johnson, a produção era um dos mais esperados lançamentos do ano e é baseado no best-seller de EL James, que vendeu mais de 100 milhões de cópias em todo o mundo. A produção retrata o relacionamento entre o bilionário de 27 anos Christian Grey, interpretado por Jamie Dornan, e a estudante Anastasia Steele, papel de Dakota Johnson. Com estreia mundial na data que corresponde ao dia dos namorados nos Estados Unidos (Valentine’s Day), o filme traz à tona a relação íntima e intensa do casal e mescla os sentimentos da jovem inexperiente Anastasia com os do poderoso e sedutor Grey, um homem de interesses extremamente peculiares.       

Velozes e Furiosos 7 

Com direção de James Wan, de “Invocação do Mal”, o sétimo filme da saga teve suas filmagens paralisadas por cerca de quatro meses por conta da morte de Paul Walker e foi retomada com participação de Caleb e Coby Walker, irmãos do ator, que auxiliaram nas filmagens das últimas cenas do filme. A produção foi um dos assuntos mais comentados nas redes sociais durante o final de semana de estreia, com mais três milhões de interações na página oficial da Universal Pictures. O filme conta com Vin Diesel, Michelle Rodriguez, Jordana Brewster, Dwayne Johnson, Jason Statham, Kurt Russell, Lucas Black e Djimon Hounsou no elenco.

E aí, vão ver qual sequência?     

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Vingadores: Era de Ultron leva mais de 2,5 milhões de pessoas aos cinemas brasileiros

Produção teve a maior bilheteria da história dos filmes da Marvel e esteve entre os assuntos mais comentados da internet

São Paulo, 27 de abril de 2015 – A equipe de super-heróis mais poderosa do universo aterrissou de forma épica em 1200 salas no Brasil. ‘Vingadores: Era de Ultron’ registrou mais de 2,5 milhões de ingressos vendidos desde que chegou aos cinemas e arrecadou R$ 38 milhões. Os números fazem do filme o mais assistido de todas as produções da Marvel durante a estreia aqui no país (45% maior que Os Vingadores – o primeiro filme), e o maior no Brasil entre sábado (740.281) e domingo (650.193) de abertura neste ano. 

A expectativa é que o sucesso se repita ao redor do mundo e que o lançamento supere os números de Os Vingadores, lançado em 2012 (o Brasil foi um dos primeiros a lançar o filme e estreou uma semana antes dos EUA, que tem data marcada para essa sexta-feira, dia 1 de maio). Nas redes sociais, o assunto dominou boa parte das conversas, colocando a hashtag  #Avengers entre os tópicos mais comentados no Brasil no dia da estreia (23/4). 

Os Estúdios Marvel apresentam ‘Vingadores: Era de Ultron’, a sequência épica do maior filme de super-heróis de todos os tempos. Quando Tony Stark tenta reiniciar um programa de manutenção da paz, as coisas não dão certo e os mais poderosos heróis da Terra, incluindo Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk, Viúva Negra e Gavião Arqueiro, terão que passar no teste definitivo para salvar o planeta. Com o aparecimento do vilão Ultron, a equipe dos Vingadores tem a missão de neutralizar seus terríveis planos, e alianças complicadas e acontecimentos inesperados logo pavimentam o caminho para uma aventura épica global.   

Vingadores: Era de Ultron da Marvel é estrelado por Robert Downey Jr., que retorna como Homem de Ferro, ao lado de Chris Evans como Capitão América, Chris Hemsworth como Thor e Mark Ruffalo como Hulk. Ao lado de Scarlett Johansson como Viúva Negra e Jeremy Renner como Gavião Arqueiro, e com o apoio adicional de Samuel L. Jackson como Nick Fury, Don Cheadle como James Rhodes/Máquina de Combate, Cobie Smulders como agente Maria Hill e Stellan Skarsgård como Erik Selvig, a equipe precisa se reunir para derrotar James Spader como Ultron, um terrível vilão tecnológico que busca a extinção da raça humana. No caminho, eles terão que enfrentar dois misteriosos e poderosos novatos, Wanda Maximoff, interpretada por Elizabeth Olsen, e Pietro Maximoff, interpretado por Aaron Taylor-Johnson, e encontrar um velho amigo em uma nova forma quando Paul Bettany se torna o Visão.

Escrito e dirigido por Joss Whedon e produzido por Kevin Feige, Vingadores: Era de Ultron da Marvel é baseado na popular série de revistas em quadrinhos “The Avengers”, publicada pela primeira vez em 1963. Louis D’Esposito, Alan Fine, Victoria Alonso, Jeremy Latcham, Patricia Whitcher, Stan Lee e Jon Favreau são os produtores executivos

VINGADORES: ERA DE ULTRON
MARVEL STUDIOS
Siga no Twitter: https://twitter.com/MarvelBR 

Gênero:                                    Ação e aventura
Classificação indicativa:            12 anos
Data de lançamento no Brasil:   23 de abril de 2015
Duração:                                   141 minutos           
Elenco:                                     Robert Downey Jr., Chris Hemsworth, Mark Ruffalo, Chris Evans, Scarlett Johansson, Jeremy Renner, Aaron Taylor-Johnson, Elizabeth Olsen, Paul Bettany, Cobie Smulders com James Spader e Samuel L. Jackson como Nick Fury
Diretor:                                     Joss Whedon
Produtor:                                  Kevin Feige
Produtores executivos:              Louis D’Esposito, Alan Fine, Victoria Alonso, Jeremy Latcham
            Patricia Whitcher, Stan Lee, Jon Favreau
Escrito por:                              Joss Whedon 

SINOPSE DA HISTÓRIA:  
Os Estúdios Marvel apresentam Vingadores: Era de Ultron, a sequência épica do maior filme de super-heróis de todos os tempos. Quando Tony Stark tenta reiniciar um programa de manutenção de paz, as coisas não dão certo e os super-heróis mais poderosos da Terra, incluindo Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk, Viúva Negra e Gavião Arqueiro, terão que passar no teste definitivo para salvar o planeta. Com o aparecimento do vilão Ultron, a equipe dos Vingadores tem a missão de neutralizar seus terríveis planos. Alianças complicadas e ação inesperada pavimentam o caminho para uma aventura épica global. 
Vingadores: Era de Ultron da Marvel é estrelado por Robert Downey Jr., que retorna como Homem de Ferro, ao lado de Chris Evans como Capitão América, Chris Hemsworth como Thor e Mark Ruffalo como Hulk. Ao lado de Scarlett Johansson como Viúva Negra e Jeremy Renner como Gavião Arqueiro, e com o apoio de Samuel L. Jackson como Nick Fury e Cobie Smulders como agente Maria Hill, a equipe precisa se reunir para derrotar James Spader como Ultron, um vilão tecnológico terrível que busca a extinção da raça humana. No caminho, eles terão que enfrentar dois misteriosos e poderosos novatos, Wanda Maximoff, interpretada por Elizabeth Olsen, e Pietro Maximoff, interpretado por Aaron Taylor-Johnson, e encontrar um velho amigo em uma nova forma quando Paul Bettany se torna o Visão. Escrito e dirigido por Joss Whedon e produzido por Kevin Feige, Vingadores; Era de Ultron da Marvel é baseado na popular série de revistas em quadrinhos da Marvel “The Avengers”, publicada pela primeira vez em 1963. Prepare-se para uma aventura cheia de ação quando Os Vingadores retornarem em Vingadores: Era de Ultron da Marvel em 23 de abril de 2015.

SINOPSE RESUMIDA: 
Quando Tony Stark tenta reiniciar um programa de manutenção de paz, as coisas não dão certo e os super-heróis mais poderosos da Terra, incluindo Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk, Viúva Negra e Gavião Arqueiro, terão que passar no teste definitivo para salvar o planeta da destruição pelas mãos do vilão Ultron. 

TEXTO PADRÃO OFICIAL:  
Os Estúdios Marvel apresentam Vingadores: Era de Ultron, a sequência épica do maior filme de super-heróis de todos os tempos. Quando Tony Stark tenta reiniciar um programa de manutenção da paz, as coisas não dão certo e os mais poderosos heróis da Terra, incluindo Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk, Viúva Negra e Gavião Arqueiro, terão que passar no teste definitivo para salvar o planeta. Com o aparecimento do vilão Ultron, a equipe dos Vingadores tem a missão de neutralizar seus terríveis planos, e alianças complicadas e acontecimentos inesperados logo pavimentam o caminho para uma aventura épica global.  
Vingadores: Era de Ultron da Marvel é estrelado por Robert Downey Jr., que retorna como Homem de Ferro, ao lado de Chris Evans como Capitão América, Chris Hemsworth como Thor e Mark Ruffalo como Hulk. Ao lado de Scarlett Johansson como Viúva Negra e Jeremy Renner como Gavião Arqueiro, e com o apoio adicional de Samuel L. Jackson como Nick Fury, Don Cheadle como James Rhodes/Máquina de Combate, Cobie Smulders como agente Maria Hill e Stellan Skarsgård como Erik Selvig, a equipe precisa se reunir para derrotar James Spader como Ultron, um terrível vilão tecnológico que busca a extinção da raça humana. No caminho, eles terão que enfrentar dois misteriosos e poderosos novatos, Wanda Maximoff, interpretada por Elizabeth Olsen, e Pietro Maximoff, interpretado por Aaron Taylor-Johnson, e encontrar um velho amigo em uma nova forma quando Paul Bettany se torna o Visão.  
Escrito e dirigido por Joss Whedon e produzido por Kevin Feige, Vingadores: Era de Ultron da Marvel é baseado na popular série de revistas em quadrinhos “The Avengers”, publicada pela primeira vez em 1963. Louis D’Esposito, Alan Fine, Victoria Alonso, Jeremy Latcham, Patricia Whitcher, Stan Lee e Jon Favreau são os produtores executivos. Prepare-se para emoções com muita adrenalina quando os Vingadores se reunirem em Vingadores: Era de Ultron em 23 de abril de 2015.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

DICAS DE FILME MUNDO AMENDOIM

A dica de filme de hoje é Tusk - A Transformação

Sinopse  e opiniões: 

Wallace Bryton (Justin Long finalmente atuando de verdade), narrador de um podcast, desaparece misteriosamente no interior do Canadá. Seu melhor amigo e parceiro, Teddy (Haley Joel Osment que sinceramente esta um fofo no filme) decide procurar por ele, contando com a ajuda da namorada do desaparecido, Allison (Genesis Rodriguez), nesta busca. O que eles não imaginam é que Wallace está nas mãos do misterioso marinheiro Howard Howe (Michael Parks), que tem o estranho plano de criar uma morsa humana.



O filme é classificado como Terror comedia, mas sinceramente, o filme devia ser classificado como "bizarro", mas vale muito a pena.

veja o trailer:


Não esqueça de visitar o MUNDO AMENDOIM
e participar do sorteio do Livro 

De onde o povo vem...

Videos

Loading...

PORTA CURTAS - Blackout

Doação

Parceria