Header Ads

Seção Assoprando o Cartucho - Clock Tower



E aí? Tudo tranquilis??
Mais uma semana se passou, e como prometido o tio Dan voltou para falar de mais um jogo. Na semana passada falei sobre E.V.O. de Snes .Hoje irei falar sobre um dos primeiros jogos de Survival Horror já produzido: Clock Tower para Snes.

Survival Horror: o nome já sugere que se trata de sobreviver à algo aterrorizante, são jogos que tem como objetivo provocar no jogador a sensação de medo e tensão. Existem muitos jogos deste gênero que são muito conhecidos pelo público, como Resident Evil, Silent Hill, Fatal Frame e Dead Space. Todos esses surgiram do PSX pra frente, mas como seria um Survival Horror em um console de 16 bits como o Super Nintendo?

Clock Tower foi produzido em 1995 pela Human Entertainment, sendo lançando primeiramente para Super Nintendo. Atualmente existem também lançamentos posteriores para consoles mais atuais como Playstation,  Playstation 2 e Nintendo DS.
Você controla Jennifer, uma garota de 14 anos, cujo pai havia desaparecido de forma misteriosa após ser chamado para atender uma emergência domiciliar. Anos depois ela e mais três amigas são levadas pela Sra. Mary, a sua mãe adotiva, a uma assustadora mansão com uma imensa torre de relógio (isso mesmo, por isso o título, do jogo Einstein!).
Chegando lá, as quatro desaparecem e te resta a missão de procura-las sozinha nesta mansão bizarra e repleta de mistérios.


Agora a sobrevivência dessa inocente garotinha de 14 anos está em suas mãos. Essa sombria mansão está repleta de perigos - mas, como se não bastasse, lá se encontra um terrível serial killer, disposto a tudo para conseguir mata-la. Se escutar o som das tesouras pelos corredores, saiba então que "AGORA A PORRA FICOU SÉRIA!".

Conforme for avançando no jogo, os mistérios serão revelados aos poucos. Aos que não curtem spoilers, atenção: irei revelar alguns deles agora. Não leiam o próximo parágrafo.
Jennifer descobre que o assassino da tesoura na verdade é Bobby, um garoto de nove anos. Há nove anos atrás, o pai de Jennifer realizou (nesta mesma mansão) o parto de dois gêmeos demoníacos, os quais pertenciam a Sra. Mary (a mãe adotiva de Jennifer). Os bebês se chamam Dan (eu?? o.O) e Bobby, o garoto da tesoura. Parece que o objetivo da Sra. Mary era alimentar seu filho Dan com as vítimas.  


O jogo é relativamente curto, mas existem nove finais diferentes. Eles variam de acordo com os caminhos e ações tomadas no decorrer do game.
Em outras palavras, digamos que você pode tentar salvar de fato suas amigas e descobrir os mistérios desta mansão maligna, ou simplesmente fugir com os rabinhos entre as pernas e se preocupar em apenas salvar sua preciosa vida.


Um fato interessante é que a personagem é uma frágil menina de 14 anos, e não uma Lara Croft ou Jill Valentine da vida. Ou seja, Jennifer não possui preparo militar ou físico, não sabe descer porrada e muito menos usa armas de fogo. Nenhum item do jogo pode ser usado como arma, somente servem como chaves ou para e para serem usados em certos lugares.



Então alguém deve se perguntar: "Então como irei sobreviver nesse jogo? =B". A resposta é simples, faça o que uma garota em apuros tem condições de fazer para se salvar: CORRA!! E assim que achar algum lugar tente se esconder, seja em baixo da cama, atrás de cortinas, no banheiro, o importante é salvar a sua pele.



Quando nosso corpo crê que estamos em perigo, nossa glândula libera uma substância chamada adrenalina, a qual nos permite usar mais da capacidade do nosso corpo, coisa que não conseguimos fazer em estado normal... Isso faz com que tenhamos uma maior força física, ignoraremos a dor, corramos mais rápido; tudo graças ao nosso instinto de sobrevivência. Isso ocorre com a Jennifer: caso ela esteja sendo perseguida por Bobby, seu nível de adrenalina sobe, permitindo assim que ela corra mais rápido, salte objetos, segure a tesoura de Bobby, ou o empurre. Mas caso ela seja pega de surpresa, Jennifer pode se assustar, o que a torna mais frágil, menos veloz, e ela também pode tropeçar enquanto tenta escapar.

O game tem seu lado negativo, sua jogabilidade não é das melhores e possui diversos bugs, mas no geral é um ótimo jogo. O jogo consegue nos passar uma sensação ruim, até mesmo um certo nervosismo. Achei muito criativo o fato de a protagonista não poder se defender e ser afetada pelo medo e adrenalina, o que deixa o jogo muito mais real.
Os gráficos são muito bons, acho que explorou o que de melhor o Snes pode proporcionar visualmente se tratando de um game 2D. Os ruídos e a trilha sonora são perfeitos, pois aumentam ainda mais a tensão do jogador.
Clock Tower é um jogo digno de respeito - afinal, desenvolver um jogo de terror com engines modernas, modelagem 3D e todos os recursos disponíveis que surgiram após a era do Playstation é sem dúvida muito mais fácil. Agora, fazer o mesmo em uma época onde não existiam praticamente jogos deste gênero como referência, usando somente sprites 2D, com os recursos limitados de hardware de um console da era 16 bits, e mesmo assim conseguir passar a ideia de terror é sem dúvida uma coisa muito difícil, e que exige muita criatividade.




6 comentários

Matheus disse...

Nossa, ótima análise e crítica! Estou ansioso pra jogar esse jogo, hehe. - Rufs

Dan Higa disse...

Valew Ruffs! Jogos assim são bacanas para nos lembrar que não é preciso de algo muito espalhafatoso para se fazer um jogo bom.

Elias (Highlander) disse...

Dan, mandou muito bem, excelente análise e texto!

Jogo mítico, sem mais!
O pai dos jogos de terror!
Pena que a jogabilidade seja tão difícil huahuahuahua

太陽零 disse...

Cara, nem curto esse gênero... mas o texto deixou o game muito convidativo.
Continue assim!

Dan Higa disse...

Ate que tem mais gente qdo que eu pensava que conhece esse jogo hehe! =D

Fernando Ticon disse...

Ficou ótimo seu review, um olhar bem pessoal sobre a jogabilidade, história, e por que as pessoas deveriam jogar Clock Tower :). Só uma correção, o primeiro jogo só lançou no japão para SNES em 1995, e pra PSX, PC e WonderSwan em 1999, nunca foi lançado fora do Oriente :( . As versões que a gente encontra na web foram traduzidas por fãs do jogo. Comecei uma série de artigos sobre o jogo no <a href="http://nerdhub.com.br/categoria/podterror>PodTerror</a>, um podcast sobre jogos de terror, que fala sobre a história do jogo. Parabéns pelo trabalho e continue com os reviews! :)

Tecnologia do Blogger.